Conclusões do workshop sobre leitura dos otólitos

Um dos principais objetivos do SUDOANG é produzir instrumentos e métodos comuns que contribuam para a conservação da enguia-europeia e do seu habitat na zona SUDOE (Espanha, França e Portugal). De modo a padronizar a leitura da idade das enguias, cientistas do SUDOANG e do Grupo de Trabalho sobre a enguia (WGEEL) reuniram-se no Terceiro Workshop sobre Leitura da Idade da enguia-europeia e americana [WKAREA3], presidido por Françoise Daverat (França), Isabel Domingos (Portugal) e Kélig Mahé (França) em Bordéus, França, de 17-18 de junho de 2019.

Este workshop teve como objetivo melhorar a exatidão e precisão na estimativa da idade com base em métodos e critérios padronizados, a fim de apoiar a avaliação do stock, a nível local e global. O grupo realizou uma leitura conjunta dos otólitos de enguia-europeia extraídos de enguias amostradas em seis sistemas aquáticos da área SUDOE, que haviam sido mal representados em workshops anteriores.

O relatório do workshop foi agora tornado público, podendo ser consultado em:

  • O resultado da estimativa da idade, comparando leitores experientes e não experientes, foi fraco, sugerindo que mais do que a experiência do leitor, é o padrão de crescimento que é responsável pela baixa consistência entre leitores.
  • Os otólitos de enguias provenientes da parte sul da área de distribuição apresentaram um padrão de crescimento global, completamente diferente do que tem sido observado nos otólitos da área norte.
  • O padrão irregular dos anéis juntamente com a presença de numerosos anéis supranumerários dificultou a interpretação do padrão de crescimento nos otólitos utilizados na leitura conjunta. Concluiu-se que era impossível distinguir anéis verdadeiros de anéis supranumerários.
  • Em habitats do sul, especialmente da região mediterrânica, é provável que o reduzido caudal do rio durante o verão, associado às elevadas temperaturas, seja responsável pela deposição de muitos anéis supranumerários.
  • Tendo em conta a incerteza associada à estimativa da idade das enguias na zona sul, a utilização dos dados de idade para avaliação de stocks, levanta preocupações.
  • Para melhorar a precisão e diminuir o risco de produzir estimativas enviesadas de crescimento da enguia na área sul, é prioritário realizar estudos de marcação e recaptura de indivíduos para validar a idade e identificar os padrões de formação de anéis. Um trabalho de campo para testar o efeito da temperatura estival e do caudal do rio nos padrões de crescimento da enguia na zona.
Otólitos de enguia-europeia amostrada num rio da área sul – Espanha- (A), mostrando um padrão irregular da deposição de anéis, com vários anéis supranumerários e num lago na área norte – Suécia (B), onde o padrão é mais regular.